Após as Liberdades, o Independence LCS da Marinha dos EUA está enfrentando grandes falhas

Quanto mais o tempo passa, mais o programa Littoral Combat Ship da Marinha dos EUA, que deveria prefigurar os desenvolvimentos no combate naval litorâneo, parece se juntar à longa lista de impasses tecnológicos e operacionais dos quais o Pentágono se especializou nos últimos 30 anos. . Depois de ter, em 2014, abandonado o princípio do módulo de combate que era permitir que as duas classes Freedom e Independence que constituíam o programa tivessem uma flexibilidade operacional avançada, equipando-se, conforme as necessidades, com capacidades de guerra anti-navio, guerra anti-submarino, inteligência e guerra eletrônica ou guerra de minas, o pessoal da marinha dos EUA nunca deixou de…

Leia o artigo

O programa F-35 ainda enfrenta atrasos significativos e estouros de custos

Nos últimos meses, o F-35 ganhou em muitas competições internacionais, inclusive na Europa Seja na Suíça, Finlândia, Canadá ou Alemanha, o dispositivo Lockheed-Martin assumiu sistematicamente seus equivalentes ocidentais, como o American Super Hornet, ou os europeus Rafale, Typhoon e Gripen. Paradoxalmente, ao mesmo tempo, o Pentágono anunciou que pretendia reduzir o número de F-35 que serão adquiridos até 2025, e isso de forma substancial. De fato, apesar de seu inegável sucesso comercial, o dispositivo continua enfrentando atrasos significativos em relação à disponibilidade da versão…

Leia o artigo

A Marinha dos EUA oferece 3 opções para o futuro de sua força naval

Por muitos anos, o planejamento de construção naval da Marinha dos EUA tem sido caótico para dizer o mínimo, com planos e objetivos sucessivos divergentes, às vezes até contraditórios. O assunto também é alvo de acirrada oposição entre senadores e deputados republicanos, partidários de uma frota massiva, e seus homólogos democratas que desejam manter o orçamento de defesa sob controle. Para além das ambições por vezes fantasiosas apresentadas nos últimos anos, e das muitas disputas que opuseram o Pentágono aos parlamentares americanos, nomeadamente no que diz respeito à retirada de certos edifícios, era portanto necessário que a Marinha dos EUA apresentasse uma estratégia coerente...

Leia o artigo

O programa do Reator Nuclear Transportável Pele do Pentágono decola

Todos os dias, o Pentágono consome 50 milhões de litros de combustível para suas forças armadas, e esse número pode mais que dobrar no caso de um grande combate. Além dos custos exorbitantes que esse consumo representa mesmo para um país produtor de petróleo como os Estados Unidos, e o impacto cada vez mais problemático para os cerca de 100 milhões de kg de CO2 liberados na atmosfera todos os dias, essa dependência também constitui uma dor de cabeça logística permanente para as forças americanas desdobradas fora do território, ainda que a Guerra na Ucrânia tenha demonstrado a imensa vulnerabilidade das cadeias logísticas diante dos modernos sistemas de armas e infantaria...

Leia o artigo

Os Estados Unidos planejam fortalecer suas capacidades de dissuasão na Europa

Implementada a partir de meados da década de 60, em plena Guerra Fria, e de forma muito confidencial, a dissuasão compartilhada da OTAN permitiu que os exércitos de seus membros usassem armas nucleares americanas, com um princípio conhecido como "chaves duplas", os Estados Unidos e os líderes dos exércitos europeus que implementam estas armas têm ambos uma "chave" que permite armar as cargas nucleares, sendo a designação dos alvos, por outro lado, da responsabilidade do comando integrado da Aliança, e não dos próprios Estados. Ao longo dos anos, este sistema evoluiu para reunir, de forma permanente, apenas 5 membros da…

Leia o artigo

Com o orçamento de 2023, os exércitos americanos revelam sua estratégia de transformação diante da China

É comum ler até que ponto os exércitos russos engajados na Ucrânia contam com equipamentos herdados do período soviético. É verdade que, embora modernizados, os T-72B3, T80BV, BMP-2 e outros Msta-S foram todos projetados nos anos 70 e 80, como é o caso dos aviões de combate da série Flanker ou dos helicópteros Mil e Kamov. No entanto, é claro que no Ocidente, a situação é em grande parte idêntica, inclusive no que diz respeito à ponta da espada, nomeadamente o Exército dos EUA, que continua a contar com tanques Abrams, os Bradley VCIs, os…

Leia o artigo

Washington endurece seu tom contra Moscou na crise ucraniana

Embora muitas observações tenham confirmado o aumento do número de soldados russos destacados ao longo das fronteiras ucranianas, a leste, de frente para o Donbass, na Crimeia, mas também na Bielorrússia, onde não menos de 30.000 soldados russos estão sendo destacados, e que a frota russa iniciou vastas manobras navais no Atlântico, Mediterrâneo e Mar Negro reunindo 140 navios militares, Washington decidiu endurecer consideravelmente seu tom nas últimas horas, em uma ação conjunta realizada na Casa Branca, mas também no Pentágono, no Congresso e nas Nações Unidas, em uma atmosfera que lembra as horas mais sombrias…

Leia o artigo

O “Buy American” de Joe Biden poderia ameaçar as exportações de defesa dos EUA?

A cada ano, o Estado Federal dos EUA defende US$ 600 bilhões de provedores de serviços privados para vários produtos e serviços que vão de TI a serviços de limpeza, incluindo consultoria e material rodante. Para apoiar a economia americana, em particular ao se comprometer a lançar uma série de vastas obras que pretendem ser o pilar da reconstrução industrial e social do país, Joe Biden, desde janeiro, colocou-se na pele de seu contestado antecessor, ao apoiando o surgimento do "Buy American Act", uma lei que obrigaria os gastos federais a serem direcionados principalmente para os prestadores de serviços nacionais, inicialmente até 55%,...

Leia o artigo

Os exércitos dos EUA devem mudar o método industrial para o vice-chefe do Estado-Maior do Pentágono

Os tempos têm sido propícios para questionamentos no Pentágono nos últimos meses, quando ficou cada vez mais claro que os Estados Unidos foram, na melhor das hipóteses, alcançados, na pior, ultrapassados ​​pelo poder industrial e científico chinês no campo militar nos últimos anos. Para o vice-chefe do Estado-Maior do Pentágono, general John Hyten, essa situação pode ser resumida em uma simples comparação: “A China realizou, nos últimos 5 anos, centenas de testes e testes de sistemas hipersônicos. os Estados Unidos fizeram 9”. Segundo ele, é o método industrial e científico americano que está na origem deste…

Leia o artigo

A China terá ascendência tecnológica militar sobre os Estados Unidos?

Quando, em 4 de outubro de 1957, um foguete R-7 Semiorka lançado do sítio de Baikonur, no Cazaquistão, colocou em órbita o primeiro satélite artificial Sputnik 1, a confiança dos Estados Unidos em sua superioridade tecnológica, até então considerada indiscutível, foi em grande parte abalada. Este episódio foi, junto com a Guerra da Coréia, a Crise dos Mísseis Cubanos e a Crise dos Euromísseis, um dos pontos altos da Guerra Fria, e gerou uma forte reação americana. E para o general Mark Milley, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas Americanas, o teste de um sistema de bombardeio orbital fracionário hipersônico realizado por Pequim há alguns dias, poderia constituir um evento...

Leia o artigo
Meta-Defesa

GRÁTIS
VISTA