Dissuasão franco-europeia: quais são os 3 modelos aplicáveis ​​à França

Tal como fez há cinco anos, o Presidente francês Emmanuel Macron abalou o cenário geopolítico europeu, evocando a possibilidade de iniciar discussões com os seus vizinhos, com vista a conseguir uma dissuasão franco-europeia, com base nos recursos nucleares franceses.

Apesar de uma abertura particularmente vaga relativamente ao modelo aplicável a esta matéria, este discurso da Sorbonne, segunda edição, causou mais uma vez agitação, mais especialmente no seio da classe política francesa, é verdade, envolvida num processo eleitoral que favorece posições claras.

Se a maioria dos actores políticos, mas também muitos comentadores, interpretaram as observações do presente como uma possível extensão da dissuasão francesa à Europa, implicando um abandono da soberania do país, os modelos que poderiam ser considerados, nesta matéria, são três em número, com implicações por vezes radicalmente diferentes, no instrumento de dissuasão francês, bem como na soberania francesa sobre a sua própria dissuasão.

A dissuasão franco-europeia recupera apelo na Europa face à ameaça de Trump

Durante o primeiro discurso na Sorbonne, em 2019, Emmanuel Macron já tinha mencionado essa possibilidade, de iniciar discussões com os países europeus que o desejassem, para usar a dissuasão francesa para os proteger.

Macron trunfo 2020
O Presidente Macor esteve muito isolado durante a cimeira da NATO de 2020, depois do seu primeiro discurso na Sorbonne.

O anúncio foi então muito mal recebido, na Europa, como nos Estados Unidos, todos vendo-a como uma manobra francesa contra a NATO, para posicionar Paris no topo do conceito emergente de Defesa Europa. Então, em Varsóvia como em Berlim, assim como em Washington, as reações foram tão negativos quanto severos em relação à França.

Desde então, o panorama geopolítico, tanto global como europeu, evoluiu consideravelmente. A guerra na Ucrânia, o rearmamento russo, o aumento da dissuasão chinesa e a chegada de novos actores, como a Coreia do Norte e o Irão, à cena estratégica global, mudaram a percepção da ameaça, incluindo na Europa.

Foram, no entanto, as repetidas declarações de Donald Trump, candidato republicano nas futuras eleições presidenciais americanas de Novembro de 2024, e favorito nas sondagens, que geraram as maiores preocupações nas chancelarias europeias.

O ex-presidente norte-americano levantou, de facto, em diversas ocasiões a possibilidade, para os Estados Unidos, de se retirarem da NATO, mas também de terem uma interpretação muito menos estrita do que a prometida até agora por Washington, relativamente ao seu Artigo 5.º. palavras, Trump e o Partido Republicano impediram, durante mais de seis meses, o apoio americano à Ucrânia, causando um enfraquecimento acentuado de Kiev no equilíbrio de poder com Moscovo.

Reunião Trump 2023
Donald Trump está hoje na posição de favorito nas sondagens pré-eleitorais nos Estados Unidos.

Estas declarações provocaram um despertar brutal e severo entre uma grande parte dos europeus que, até agora, consideravam a protecção americana garantida e inamovível.

Naturalmente, a proposta francesa de 2019 tem hoje uma atractividade muito diferente da de há cinco anos. É neste contexto que se realiza o segundo discurso da Sorbonne, reiterando esta proposta francesa de iniciar discussões sobre a possível emergência de uma dissuasão franco-europeia.

Dissuasão franco-europeia: um conceito vago de Emmanuel Macron amplamente criticado em França

Se as aberturas feitas por Emmanuel Macron neste discurso tiveram uma recepção muito mais atenta e benevolente por parte dos europeus, conscientes do risco que representa a chegada de Donald Trump à Casa Branca dentro de 8 meses, foi em França que desta vez provocou a a maioria das reações, na maioria das vezes muito hostis.

Assim, sem grande surpresa, com as eleições europeias dentro de apenas seis semanas, as oposições políticas estavam todas em pé de guerra contra a abertura feita por Emmanuel Macron. O mesmo aconteceu com muitos comentaristas da esfera da defesa francesa.

Em ambos os casos, tratava-se de rejeitar a perda da soberania francesa no instrumento dissuasor que tal decisão iria gerar, mas com certas nuances. Assim, para alguns, a extensão da dissuasão a outros países europeus levaria, acima de tudo, a um aumento nos riscos de ver a França na mira da Rússia, em caso de conflito.

Iskander-M Rússia
A ameaça nuclear russa baseia-se numa vasta gama de munições, que vão desde o míssil balsítico Iskander-M de curto alcance até ao R-30 Bulava SLBM com um alcance de mais de 9000 km, transportando até 10 MIRVs.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Logotipo Metadefense 93x93 2 Forças de Dissuasão | Alianças militares | Análise de Defesa

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

6 Comentários

  1. Excelente ideia Fabrice (três)
    Para a cacofonia dos comunistas (LFI) e dos fascistas (RN), não devemos levá-la muito em conta porque se os ouvirmos, devemos depor as armas e viver pacificamente com tiranos e ditadores como parceiros.
    E mais, se isso pode fazer seus mamilos ficarem bem, então é bom: p

    • O objetivo do artigo não é dizer o que deve ser feito, mas simplesmente o que pode ser feito nesta área, e estudar as consequências na própria dissuasão francesa. Depois, aplicabilidade, aceitabilidade nacional e internacional, são outros debates que tenho o cuidado de não abordar))

  2. Na verdade, como um jovem assinante, estou finalmente encontrando artigos fascinantes e detalhados e obrigado.
    Bem acordado, os artigos e em particular este pretendem esclarecer e não fornecer soluções
    Confrontados com a fantasia da dissuasão nuclear americana e o seu isolacionismo natural (ver as duas guerras mundiais), representado pelo trumpismo, temos na verdade uma carta para jogar.
    Mas não creio que o complexo militar americano vá deixar isso acontecer e perder um rendimento magnífico baseado numa fantasia.
    A menos que, se a Rússia continuar a ameaçar, então não tenho a certeza de que os nossos amigos norte-americanos serão muito reativos, veja Churchill, que foi forçado a ter os seus aviões puxados por cavalos…..

REDES SOCIAIS

Últimos artigos