A Boeing poderá em breve não ser mais capaz de produzir F-15EX e F/A-18 E/F em St.

Nos últimos anos, os fracassos comerciais da divisão de caças da Boeing representaram uma ameaça real ao futuro das linhas de produção da sua fábrica em Saint-Louis, Missouri, que produz nomeadamente o F/A-18 E/F Super Hornet e o F -15EX.

Embora o fabricante de aeronaves americano tenha visto o seu horizonte iluminar-se, com o anúncio de uma futura encomenda de 50 F-15EX para a força aérea israelita, é a vez da sua rede de subcontratação pesar uma ameaça existencial a esta actividade.

Com efeito, a empresa GKN Aerospace, com sede em Hazelwood, nos subúrbios a norte de Saint-Louis, que produz elementos-chave para a construção dos dois aviões de combate Boeing, anunciou que pretendia encerrar a sua unidade industrial, a casa da empresa-mãe britânica, Melrose Indústrias, acreditando que não é mais viável financeiramente.

Divisão de caças da Boeing sob pressão nos últimos anos

Atualização de 27/04/24: Boeing anunciou, conforme previsto, a aquisição da GKN, com a transferência de 550 dos 600 funcionários. O valor da transação não foi revelado, o que sugere que seja significativo, certamente acima do preço de mercado da empresa.

Para a Boeing, este anúncio tem o efeito de uma bomba, talvez até de chantagem, já que o fabricante americano de aviões atravessa um período difícil há cerca de quinze anos. Com efeito, a Boeing tem lutado, desde o início da década de 2010, para manter a atividade na sua fábrica de Saint-Louis, que emprega 16.000 mil pessoas, para produzir os aviões de combate do fabricante de aeronaves.

Linha Boeing Missouri
A linha de produção do Super Hornet e Eagle em St. Louis, Missouri, emprega quase 16 pessoas.

As sucessivas seleções da Lockheed Martin para o F-22, depois para o F-35, seguida pela da Northrop Grumman, para o B-21, têm, de facto, corroído a sua carteira de encomendas, uma vez que as aeronaves norte-americanas e sauditas, do Catar , Kuwaitiano e Australiano, entregues.

Pior ainda, a Marinha dos EUA tem anunciado, há vários anos, que quer pôr fim à encomenda do Super Hornet, que só sobrevive através da intervenção do Congresso, enquanto a encomenda do F-15EX para a Força Aérea dos EUA, continuou a declínio, passando de mais de 200 aeronaves inicialmente previstas para 144, depois 98 aeronaves, hoje.

Neste contexto, o anúncio israelita de uma futura encomenda de 50 F-15EX, numa encomenda total de 18 mil milhões de dólares, constituiu uma lufada de ar fresco para o fabricante de aeronaves, enquanto se aguardam decisões sobre o programa NGAD da Força Aérea dos EUA, e o Marinha dos EUA, ainda que esta tenha anunciado recentemente a sua intenção de adiá-la por alguns anos.

A ameaça aeroespacial da GKN pode fazer com que a fábrica da Boeing em Saint-Louis cesse as operações já em 2025.

Podemos imaginar, neste contexto, que o anúncio feito pela Melrose Industries, relativo a cessação de atividade, a partir de 2025, da GKN Aerospace, constitui uma ameaça que a Boeing teria felizmente dispensado hoje.

GKN Aerospace
A GKN Aerospace fabrica superplásticos essenciais para a construção e manutenção do F-15 e F/A-18.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Notícias de Defesa | Aviões de combate | Cadeia de subcontratação industrial de defesa

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos