Arma César é um pesadelo, dizem artilheiros russos

Seja o que for que se diga, os exércitos ocidentais não experimentaram, desde a Guerra da Coreia, combates reais de alta intensidade e longo prazo. Como tal, a Guerra do Golfo de 1991, muitas vezes apresentada para justificar arbitragens feitas pelo Ocidente em termos de exércitos, equipamento e doutrinas, foi demasiado curta e demasiado específica para tirar conclusões reais dela.

Neste contexto, a guerra na Ucrânia, desde Fevereiro de 2022, é uma oportunidade, para estes mesmos exércitos ocidentais, confrontarem os seus equipamentos, bem como, de certa forma, as suas doutrinas, com a realidade. Esta foi uma oportunidade para rever certas certezas, particularmente no que diz respeito à suposta eficácia relativa do equipamento ocidental em relação ao equipamento russo mais rústico.

Esta guerra também mostrou o papel decisivo da artilharia neste tipo de conflito. Nesta área, os novos sistemas europeus, equipados com tubo calibre 52 e sistemas de mira mais avançados, têm demonstrado a sua grande eficácia, comparativamente aos equipamentos russos, mas também aos equipamentos americanos ou britânicos menos eficientes.

O Canhão de César montado em caminhão, de desenho francês, brilha particularmente neste conflito. Uma vez considerado demasiado leve e insuficientemente protegido, em comparação com o Arqueiro sueco, ou menos móvel em terrenos difíceis, que o Pzh2000 alemão, este último demonstrou, em diversas ocasiões, toda a eficácia do seu conceito.

No entanto, se os ucranianos têm por vezes enviado mensagens contraditórias sobre este sistema, uma recente entrevista online, no Telegram, com artilheiros russos, mostra que é, hoje, o sistema mais temido, e o que mais os prejudica.

Mensagens às vezes contraditórias sobre o canhão César vindo da Ucrânia

Hoje, os exércitos ucranianos colocam em campo cerca de cinquenta Césares, incluindo 19 na versão 8×8 fornecida pela Dinamarca e 32 na versão 6×6 pela França. Estes deverão receber, em 2024, 78 novos César 6×6, financiados conjuntamente por Paris, Copenhaga e Kiev.

Canhão M-777 Ucrânia
As forças ucranianas perderam mais de metade das armas M777 entregues pelos Estados Unidos, em comparação com menos de 15% da sua arma César.

No entanto, as mensagens sobre a eficácia do combate do César por parte dos exércitos ucranianos têm sido ocasionalmente contraditórias. Alguns meses atras, um artilheiro ucraniano explicou aos jornalistas franceses, que a arma rebocada americana M777 era mais eficaz, porque podia ser mais facilmente escondida e, desta forma, resistir a ataques de drones, e porque era demasiado complexa para usar e manter.

Os fatos, porém, não lhe deram razão, principalmente quando se comparam as perdas entre os dois sistemas. E estas declarações também levaram o Ministério da Defesa ucraniano a publicar uma declaração para contradizer o coronel Yan Iatsychen, comandante da 56ª brigada de infantaria motorizada, e expressa sua plena satisfação com o CAESAR.

Há poucos dias, Alexander Zavitnevych, presidente da Comissão de Segurança Nacional, Defesa e Inteligência do Parlamento Ucraniano, a Rada, havia elogiado César, em particular nas mãos dos artilheiros da 55ª brigada de artilharia, então encarregados de proteger o teatro Zaporozhye.

No entanto, esclareceu que estavam a encontrar dificuldades em matéria de manutenção em condições operacionais (MCO), uma dificuldade na qual a KNDS-França e as autoridades ucranianas estão a trabalhar ativamente. Ao mesmo tempo, indicou que a mobilidade do canhão francês era prejudicada durante os períodos de fortes chuvas, na primavera e no outono.

O testemunho de uma artilharia russa sobre a evolução da artilharia ucraniana

Sobre estes assuntos, a entrevista aos artilheiros russos, conduzida por colegas milbloggers, proporciona uma visão complementar e muito esclarecedora sobre a percepção relativa à eficácia da artilharia ucraniana, mas também da do César francês.

01ukraine arma 01 lqgz videoSixteenByNine3000 v2 Artilharia | Notícias de Defesa | Canhão carregado
Muito eficiente, o Pzh2000 alemão também é muito mais caro que um César, impossibilitando atingir uma massa crítica efetiva na linha de combate.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Logotipo Metadefense 93x93 2 Artilharia | Notícias de Defesa | Canhão carregado

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

3 Comentários

  1. Bonjour Fabrice,

    No mundo li que a Alemanha e a Inglaterra têm um projeto conjunto para desenvolver obuseiros de rodas controlados remotamente de calibre 155 milímetros que serão montados em veículos blindados Boxer. Por um lado, competirá com o César? Por outro lado, será que a França tomou a medida da ofensiva alemã desde a chegada de Scholz ao poder, que visa tornar a Alemanha o poder dominante europeu sem partilhar com a França? Uma ofensiva que não víamos desde a Segunda Guerra Mundial, sem trocadilhos.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos