O CIWS RAM substituirá o Phalanx a bordo dos destróieres da Marinha dos EUA

A substituição dos Phalanxes nos destróieres americanos pelos CIWS RAM ou SeaRam resolverá parte dos problemas de consumo de munição das escoltas da Marinha dos EUA, enfrentando os drones Houthi? É possível…

Segundo informações fornecidas pela Marinha dos EUA, estes destróieres americanos, implantados no Mar Vermelho e no Golfo de Aden, já dispararam bem mais de cem mísseis SM-2 e SM-6, para interceptar drones de ataque, mísseis de cruzeiro antinavio e mísseis balísticos, lançados pelos rebeldes Houthi iemenitas, contra esses navios, ou aqueles que eles protegem.

No entanto, só utilizaram o CIWS Phalanx uma vez, enquanto, ao mesmo tempo, várias fragatas ocidentais equipadas com o sistema Míssil de fuselagem rolante RIM-116 ou RAM, mostrou a eficácia do sistema.

O CIWS Mk15 Phalanx, um pilar de defesa aproximada para navios de superfície americanos e ocidentais

Se o Mk15 Phalanx, sistema automático de defesa próxima composto por um radar de disparo e uma metralhadora Gatling com 6 tubos de 20 mm, tem desfrutado, desde a sua entrada em serviço em 1980, de uma imagem lisonjeira, tanto na opinião pública como em Hollywood, é não menos limitado por certas limitações.

Destruidor Arleigh Burke
A maioria dos contratorpedeiros Classe A da Marinha dos EUA. Burke, tem 2 falanges: uma na frente do navio, sob a ponte, e outra no teto de popa. Ambos são visíveis nesta foto.

Assim, o seu baixo calibre apenas lhe confere um alcance efetivo relativamente curto, de 1500 metros, contra alvos aéreos móveis. Portanto, só poderá revelar-se útil como barreira final para proteger o próprio navio, se for efectivamente visado. Para que foi projetado, na verdade.

Além disso, a sua cadência de tiro de 3000 tiros por minuto, e o seu sistema de apontamento, apenas lhe conferem uma autonomia de combate de 25 a 30 segundos, ou 5 ou 6 tiros, na melhor das hipóteses. Por fim, se puder ser rearmado no mar, é um procedimento longo e complexo, potencialmente expondo as equipas encarregadas desta missão, caso o navio continue o combate.

Apesar destas limitações, o Phalanx aumentou, de facto, significativamente a capacidade de sobrevivência potencial das fragatas, contratorpedeiros e principais unidades de superfície, navios anfíbios e porta-aviões da Marinha dos EUA durante a Guerra Fria.

Isto deveria, então, permitir que os navios tivessem uma defesa final, em particular contra os mísseis anti-navio soviéticos enviados em massa para saturar as defesas adversárias, mesmo que já tivessem usado todos os seus mísseis para interceptar o máximo de ameaça.

O sistema também obteve um sucesso significativo, equipando a maioria dos principais navios da Marinha dos EUA, bem como mais de 75 classes de navios de superfície em cerca de vinte Marinhas mundiais.

Substitua o Mk15 Phalanx dos destróieres americanos Arleigh Burke por sistemas CIWS RAM ou SeaRAM

Apesar deste sucesso inegável, a Marinha dos EUA acaba de anunciar que irá substituir os sistemas Phalanx que equipam os destróieres da classe Arleigh Burke, para instalar, em seu lugar, um sistema RAM RIM-116, ou seu ainda mais restrito, o SeaRAM, como parte do o programa Destroyer Modernization 2.0, ou DDG 2.0.

CIWS RAM recarregando no mar
Ao contrário dos silos Mk41, os sistemas Mk49 da Ram podem ser recarregados no mar. O procedimento é, no entanto, relativamente complicado e complexo, como mostra esta foto.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Logotipo da Metadefense 93x93 2 Frota de Superfície | Notícias de Defesa | Conflito no Iêmen

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos