MGCS: Paris e Berlim validam a partilha industrial do futuro tanque de guerra europeu

Há muito ameaçado, tanto pelas diferenças de expectativas entre os exércitos, como pelas tensões relativas à partilha industrial, o programa MGCS, que deverá permitir a substituição dos tanques de combate Leopard 2 Leclerc alemão e francês, por volta de 2040, tinha um futuro incerto, até que os ministros supervisores dos dois países decidiram tomá-lo em mãos, em setembro passado.

Depois de os exércitos dos dois países terem reunido as suas visões, no início do ano, sobre o que deveria ser este futuro programa, era agora necessário abordar o ponto de atrito mais delicado, a partilha industrial, enquanto as tensões entre Rheinmetall e Nexter, quase implodiu o futuro tanque europeu.

Sébastien Lecornu e Boris Pistorius, os Ministros da Defesa dos dois países, acabam de anunciar que este passo, tão decisivo quanto difícil, acaba de ser alcançado, e que foi alcançado um acordo, relativo à partilha industrial entre os diferentes intervenientes industriais no este programa.

Um programa MGCS com trajetória caótica desde 2015

Desde o seu lançamento em 2015, o programa MGCS passou por diferentes fases, de intensidade variável. Depois de um início modesto, conheceu um interesse renovado em 2017, tornando-se um dos pilares da iniciativa de Emmanuel Macron e Angela Merkel para dar origem à Defesa Europa.

Visão alemã MGCS
Visão alemã do MGCS apresentada pelo Exército Alemão em janeiro de 2024

Rapidamente, porém, surgiram divergências, primeiro entre as expectativas dos exércitos francês e alemão, depois na área da partilha industrial, depois de o Bundestag ter imposto a adesão da alemã Rheinmetall ao programa, em 2019.

Durante mais de três anos, o programa permaneceu quase num estado de estagnação, levantando sérias dúvidas sobre a sua sustentabilidade. Ao mesmo tempo, a ressurreição do mercado de tanques de guerra levou a indústria alemã a projetar o Leopard 2A8, uma evolução do A7 incluindo, nomeadamente, um Troféu APS, pesando uma nova ameaça ao calendário MGCS, inicialmente previsto para 2035, e que poderá, de facto, canibalizar o endereço de mercado do tanque alemão.

No início de 2023, o programa foi ameaçado, a tal ponto que até os industriais e os militares pareciam exasperados e por vezes desanimados pela falta de progresso, enquanto as tensões franco-alemãs começavam a aparecer no palco público.

Tal como aconteceu com o programa FCAS que também passou por uma zona de forte turbulência, foi necessário que os Ministros da Defesa francês e alemão retomam o assunto nas suas próprias mãos em setembro de 2023, para colocá-lo de volta nos trilhos. Poucas semanas depois, os dois países anunciaram a entrada da Itália no programa e, no início de janeiro, o Exército e a Bundeswehr conseguiram finalmente alinhar as suas expectativas, para revitalizar o programa.

Um acordo equilibrado para partilha industrial entre fabricantes

Para o relançar e assegurar, faltava então um acordo de partilha industrial. Foi precisamente isso que Sébastien Lecornu, o Ministro francês das Forças Armadas, e Boris Pistorius, o seu homólogo alemão, se propuseram a fazer.

Lecornu Pistorius MGCS
Sebastien Lecornu e Boris Pistorius em Berlim para discutir o programa MGCS em julho de 2023

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Tanques de Batalha MBT | Notícias de Defesa | Alemanha

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos