Quanto vale a dissuasão francesa face à ameaça russa em 2024?

Não demorará muito. Após a menção, pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, da possibilidade de envio de tropas europeias para a Ucrânia, as reações, muitas vezes não muito favoráveis, multiplicaram-se, na Europa, nos Estados Unidos, mas também no seio da classe política francesa. As segundas facas das comunicações russas, por sua vez, tentaram zombar da ameaça.

Este não é o caso de Vladimir Putin. Longe de considerar a hipótese, ou a França, como uma quantidade desprezível, ele brandiu vigorosamente a ameaça nuclear, contra a França, e especialmente contra toda a Europa, se alguma vez os europeus viessem a interferir no "território russo", sem que soubéssemos realmente se a Ucrânia fazia ou não parte da sua concepção do que é o território russo, aliás.

Obviamente, o presidente russo está pronto a usar todo o seu arsenal, incluindo o nuclear, para convencer os ocidentais a distanciarem-se daquilo que ele considera ser a esfera de influência de Moscovo, uma noção muito dinâmica, nas palavras do chefe de Estado russo há 20 anos. anos.

Neste contexto, e embora o apoio e a protecção americanos sejam atingidos por incertezas após as declarações de Donald Trump, a dissuasão francesa parece ser o derradeiro baluarte contra as ambições de Vladimir Putin na Europa. A questão é: ela pode fazer isso?

Ameaças cada vez mais fortes do Kremlin contra a França e a Europa

As ameaças feitas contra a Europa por Vladimir Putin em 29 de Fevereiro, enquanto discursava aos parlamentares russos, constituem certamente uma resposta particularmente vigorosa às hipóteses levantadas pelo Presidente Macron no início da semana. No entanto, estão longe de representar uma ruptura na recente posição russa e muito menos uma surpresa.

Sistema de Forças de Dissuasão de Iskander | Alianças militares | Armas nucleares

A ameaça nuclear russa está agitada desde 2014 e a captura da Crimeia

Já durante a intervenção dos exércitos russos na Crimeia, em 2014, para tomar, de surpresa, a península ucraniana, Vladimir Putin tinha elevado o nível de alerta das suas forças nucleares, e implantado baterias de mísseis Iskander.M, para evitar qualquer interferência de o Oeste.

Fez exactamente o mesmo em Fevereiro de 2022, quando ordenou a ofensiva contra a Ucrânia, e o início da agora famosa “operação militar especial”, ou operações militares especiais em russo (CBO), anunciando, mais uma vez, o aumento do alerta de ataques aéreos estratégicos. forças e forças de foguetes.

Uma resposta firme da dissuasão ocidental em Fevereiro e Março de 2022

A eficácia desta medida foi, no entanto, menos eficaz do que durante a captura da Crimeia, quando europeus e americanos permaneceram congelados, perguntando-se quem poderiam ser "estes homenzinhos verdes", que haviam tomado o controle deste território ucraniano, das bases russas e do desembarque navios.

Em 2022, sob a liderança dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha e especialmente dos países da Europa de Leste, como a Polónia e os Estados Bálticos, a ajuda militar ocidental foi organizada em apoio à Ucrânia, com a transferência de equipamento cada vez mais eficiente, primeiro anti-tanque e mísseis de infantaria antiaérea (fevereiro de 2022), depois veículos blindados da era soviética (março de 2022), seguidos pelos primeiros veículos blindados e sistemas de artilharia ocidentais (abril-maio ​​de 2022).

Ao mesmo tempo, as três nações nucleares ocidentais, os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a França, responderam ao alerta das forças nucleares russas reforçando os seus próprios meios de dissuasão, num impasse que o mundo não via desde 1985 e o fim da crise dos euromíssil.

Dissuasão francesa classe SSBN Triomphant
Os quatro SSBN franceses da classe Triomphant permitem manter, permanentemente, em tempo de paz, um submarino armado com 16 mísseis M51, em patrulha, e dois, ou três, SSBN no mar, em tempos de crise, como em março de 2022.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Logotipo Metadefense 93x93 2 Forças de Dissuasão | Alianças militares | Armas nucleares

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

9 Comentários

  1. Olá sr Wolf.
    Como sempre, uma análise imparcial e objetiva dos poderes expostos e suas respectivas doutrinas explicadas.
    A história é apenas um eterno começo e esquecê-la é apenas uma oportunidade para vê-la repetir-se. O meu comentário é apenas um lugar-comum, mas as vossas reflexões deveriam ser lidas por tantos destes comentadores e outros "alimentadores de informação", não para formar doutrina, mas simplesmente para alimentar um certo espírito de síntese que permitiria uma melhor leitura de um futuro tão incerto ( comum como eu disse acima, mas certamente necessário….)
    Obrigado novamente pelo seu site.
    JLG

  2. O lado russo ainda sofre de falta de perspectiva sobre o material realmente disponível.

    É razoavelmente improvável que os custos de manutenção de 6000 ogivas nucleares caibam no orçamento global da Rússia. Depois, remover um pouco de ferrugem e colocá-los em um lançador os torna operacionais…….

  3. Bom Dia,

    Muito obrigado pelo seu artigo que é muito interessante.

    Deixe-me fazer a seguinte pergunta que me intriga em relação à dissuasão. Você menciona, com razão, o conceito de destruição mutuamente assegurada. Mas hoje, a tecnologia anti-míssil (por exemplo, Mamba ou S400) não altera o conceito desta destruição “garantida”?

    Merci beaucoup despeje votre réponse.

    cordialmente

    SB

    • Todos os sistemas antibalísticos, o S400, o SAMP/T Mamba, o Patriot, o THAAD ou o Arrow 3, possuem um envelope de disparo determinado. Os S400/Patriot/Mamba/SM6 são sistemas endo-atmosfera, que só podem interceptar trajetórias descendentes, contra mísseis balísticos específicos, com alcance que varia de 500 a 1500/2000 km. Sistemas exoatmosféricos, como o S500, o THAAD, o Arrow 3 ou o SM3, são capazes de interceptar alvos balísticos fora da atmosfera, com latitude variando de 70/80 a 200 km, dependendo dos modelos. Infelizmente, todos estes sistemas enfrentam grandes dificuldades para combater trajetórias balísticas intercontinentais, ICBMs ou SLBMs. Não é impossível, mas a bateria deve ser posicionada exatamente no lugar certo para ter sucesso. Além do mais, devem lançar vários mísseis por ogiva. Então, na verdade, ninguém considera que os escudos ABM (mísseis antibalísticos) possam ser realmente eficazes contra o fogo estratégico. Por outro lado, podem ser usados ​​contra mísseis de curto e médio alcance (alcance de até 5 km).

  4. A dissuasão nuclear, francesa ou não, só é tão boa quanto a vontade daqueles que têm o poder de implementá-la e a sua credibilidade a nível internacional.
    Daí a fraqueza dos britânicos sujeitos ao regime de dupla chave para o uso de armas nucleares.

    • Não há chave dupla na dissuasão britânica. Este é um mito frequentemente repetido, até mesmo por senadores, mas é completamente falso.
      A dissuasão britânica utiliza mísseis Trident D5 da Lockheed Martin, mas de forma independente. Só os britânicos podem armar as suas ogivas nucleares, designar os seus alvos e dar a ordem de disparo. A dissuasão britânica depende dos EUA para manter os seus mísseis, mas é isso, e não há absolutamente nenhuma chave dupla. Recorde-se que a componente aérea da dissuasão francesa depende da permanência em serviço do E-3F Sentry e do KC-315, que também dependem dos Estados Unidos para peças. E na aviação naval depende do E-2C Hawkeye, da Grumman.
      Além disso, também não existe chave dupla para os B-61 da OTAN. Só os Estados Unidos podem armá-los e a NATO designa os alvos. As forças aéreas dos países anfitriões são apenas as transportadoras. Na pior das hipóteses, podem recusar-se a cumprir a missão.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos