Será o recrutamento escolhido a solução para as dificuldades de recrutamento dos exércitos europeus?

Aplicado na Noruega e na Suécia, talvez em breve na Croácia, o recrutamento escolhido representa uma forma original de aplicar o recrutamento obrigatório, respeitando ao mesmo tempo todas as restrições que hoje se aplicam aos exércitos europeus.

À medida que enfrentam dificuldades crescentes na manutenção dos seus números, e à medida que a ameaça internacional impõe recursos acrescidos, estes exércitos devem agora considerar todos os modelos, incluindo os menos tradicionais, para responder aos desafios de segurança que se apresentam hoje, e que certamente aumentarão amanhã.

Desde o fim da Guerra Fria, os exércitos europeus registaram uma considerável deflação de efetivos, na maioria das vezes associada ao fim do recrutamento obrigatório. Assim, os exércitos franceses passaram de um formato de 562 homens em 000, incluindo 280 mil recrutas, em comparação com os 000 mil militares ativos atualmente. Foi o mesmo em todos os exércitos europeus.

Com base nos benefícios da paz e no desaparecimento da ameaça soviética, os exércitos europeus puseram, na sua maior parte, fim ao recrutamento, que era então vivido como um constrangimento desnecessário, tanto pelos recrutas como pelos soldados. eles mesmos.

Expostos a inúmeras missões externas em que os conscritos não podiam, estatutariamente, participar, e com créditos decrescentes, os próprios militares privilegiaram um exército profissional, de formato compacto, mas adaptado às missões pela sua profissionalização, e pela maior tecnicidade dos seus operadores.

Dificuldades de recrutamento e declínio da lealdade, o desafio de manter números já insuficientes nos exércitos europeus

Com o tempo, porém, dois problemas minaram esse modelo razoável. Em primeiro lugar, o fim do recrutamento erodiu significativamente a mistura entre os exércitos e a sociedade civil, levando a uma redução muito significativa no volume de candidatos todos os anos.

Reservistas da Guarda Nacional
A França planeia aumentar o número de guardas nacionais de 40 para 000 até 80, mas o objectivo será difícil de alcançar.

O problema é tal que, hoje em dia, muitas vezes, o número de candidatos que simplesmente possuem as competências físicas exigidas é inferior ao número de vagas oferecidas, por vezes muito significativamente.

Os exércitos europeus, mas também os americanos, estão agora expostos a um dilema cruel: reduzir os seus critérios de selecção, com o risco de que isso tenha repercussões na eficiência operacional, ou não cumprir as suas quotas de recrutamento, o que, também aí, tem evidentes consequências operacionais. consequências.

A este problema já mais que grave, desde o início da década de 2010, juntou-se um segundo, ainda mais restritivo. Aparecendo em 2012, com a chegada ao poder de Xi Jinping na China e o regresso de Vladimir Putin ao Kremlin, continuou a crescer desde então.

Com efeito, os dois homens aumentaram consideravelmente o poderio militar dos respectivos países, ao mesmo tempo que se revelam cada vez mais belicosos na cena internacional, em particular em relação ao Ocidente, o que é o caso de Taiwan no Pacífico, ou da Ucrânia na Europa.

Exércitos na Ucrânia
Os exércitos ucranianos demonstraram que os recrutas podem representar uma força armada de primeira classe, inclusive contra forças profissionais.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Logo Metadefense 93x93 2 Política de Defesa | Alemanha | Análise de Defesa

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

5 Comentários

  1. Seu site é fascinante. Muitos artigos têm um enquadramento europeu, um interesse que ultrapassa as fronteiras da França. Seus artigos são traduzidos para vários idiomas. Está a considerar criar um espaço de debate que lhe permita trocar pontos de vista com oradores europeus?
    A Defesa Europa está a ser construída na sede, mas também nos intercâmbios que permitem à sociedade civil compreender o debate e apropriar-se dele. Porém, até agora, fora o Twitter e os seus excessos, dificilmente temos acesso a material de primeira qualidade para debate.
    Seus artigos não apenas relatam os fatos, mas também oferecem uma projeção do que acontecerá e são, portanto, fonte de inspiração para futuras políticas públicas, seja ele quem for eleito. Espera-se que algumas destas políticas tenham uma dimensão europeia. Para evocar maravilhosamente o papel que a França poderia desempenhar ali e os riscos ou ameaças que deveríamos enfrentar, sejam militares ou industriais, com uma revisão completa da cadeia dos nossos interesses. Eles merecem ser debatidos com oradores franceses, mas também europeus, se quisermos fazer avançar o debate.
    Suspeito que este pedido excede o que um leitor tem o direito de esperar e, em qualquer caso, desejo-lhe boa sorte para o futuro.
    Atenciosamente,

    • Obrigado pelo comentário. Esta é, aliás, a linha editorial do site, que pretende alargar o debate, na Europa e fora dela, e sobretudo lutar contra certas certezas e julgamentos precipitados, que poluem o debate.
      Por enquanto, os comentários estão reservados aos assinantes. Isto é imposto pela solução utilizada para operar o site, e impede a distribuição de publicidade aos assinantes. No entanto, há utilizadores europeus que já comentaram determinados artigos, esforçando-se por escrevê-los em francês. paradoxalmente, se o escrevessem na sua língua nativa, o seu comentário seria automaticamente traduzido para todas as línguas, exceto o francês, que é a língua “original” do site. Levantei o assunto com o editor da solução de tradução, para ver se é possível remediar.
      Caso contrário, os artigos são discutidos no LinkedIn, um ambiente muito mais cortês e agradável do que outras redes sociais.
      bien cordialement

  2. Bom Dia,
    Mesmo que esta solução pareça ter muitas vantagens, devemos ter o cuidado de garantir que os recrutas escolhidos pelo exército não correspondam sempre, como que por acaso, aos pobres e aos que não podem ser apoiados. Talvez devesse haver um sorteio entre os candidatos adequados.
    Atenciosamente,

    • Veja como é interessante: na Noruega é a elite que vai cumprir o serviço militar. Em França, existe o receio de que sejam os pobres... O facto de ser escolhido (pelos exércitos) tende precisamente a garantir que a reserva corresponda melhor às necessidades dos exércitos. Na minha opinião, procurarão mais licenciados em informática, STAPS ou enfermeiros, do que jovens com problemas. Dito isto, também podemos muito bem imaginar que este mecanismo poderia permitir a reconexão com a sociedade de certos jovens, sob a forma de serviço militar "diferido", mas apenas no que diz respeito a perfis que demonstrassem uma verdadeira determinação nesse sentido (sou um fã da canhoneira Yan-Tsé).

REDES SOCIAIS

Últimos artigos