Berlim bloquearia a compra de 40 Eurofighters Typhoon pela Turquia

As relações entre Londres e Berlim correm o risco de azedar novamente, após o episódio de recusa alemã na venda de 48 Eurofighters Typhoon para a Arábia Saudita. Com efeito, segundo declarações do Ministro da Defesa turco, Yasar Guler, as autoridades alemãs estão desta vez a bloquear as negociações iniciadas por Ancara com Londres e Madrid, para a venda de 40 caças europeus.

Embora tenha a maior força aérea da NATO, fora dos Estados Unidos, com quase 600 aeronaves incluindo 290 aviões de combate, o inventário turco está agora a envelhecer, com uma frota de caças composta por 240 F-16 C/D ao padrão Block 52, bem como cerca de cinquenta F-4E Phantom IIs.

O desafio de modernizar as forças aéreas turcas

Ancara, no entanto, carece de opções para responder, a curto prazo, a este desafio, prejudicada em particular pela sua exclusão do programa americano F-35 após a aquisição de uma bateria antiaérea russa S-400 em 2019. Além disso, após a sua intervenção militar na Líbia, depois no norte da Síria contra os aliados curdos do Ocidente que enfrentam o Estado Islâmico, o Congresso americano adoptou uma orientação restritiva em relação à exportação de armas para a Turquia, bloqueando a venda do F-16 Bloco 70 e atualizar kits para o padrão.

Força Aérea Turca F-16
Com quase 250 F-16 C/D, a Força Aérea Turca é a maior operadora do caça monomotor Lockheed-Martin, depois dos Estados Unidos.

A partir daí e enquanto se aguarda a chegada do caça de design nacional o Kaan, do programa TFX, Ancara vê-se obrigada a tentar encontrar soluções alternativas, para garantir a transição do ponto de vista operacional, enquanto, por seu lado, a Grécia adquiriu três esquadras de F-16V, uma esquadra de Rafale e um futuro esquadrão F-35A.

Contudo, as opções são poucas para as forças aéreas turcas. Na ausência de um acordo com os Estados Unidos, é impossível recorrer aos fabricantes americanos, mas também ao sul-coreano FA-50, ao indiano Tejas ou ao sueco Gripen, sendo os aviões equipados com turbojatos F. -414 americanos. A opção de Rafale Os franceses também estão excluídos, uma vez que Paris assumiu a causa de Atenas durante vários anos, enquanto as relações com Ancara são tensas, especialmente devido às crises na Síria e na Líbia.

Durante algum tempo, Ancara manteve a possibilidade de se voltar para a Rússia, e os seus Su-35 e Su-57, ou mesmo para a China. No entanto, se a reacção americana já tinha sido virulenta contra Ancara após a compra de uma única bateria S-400, os riscos para a Turquia de recorrer a estes países excedem em muito aqueles que o Presidente Erdogan parece estar pronto a assumir hoje.

Na verdade, quando Londres abriu as portas a Ancara, com a ajuda de Madrid, para a aquisição de caças Eurofighter Typhoon, para Ancara não era apenas uma opção interessante, mas acima de tudo a única opção que poderia ser implementada rapidamente para modernizar parcialmente as suas forças aéreas e responder à chegada de Rafale dentro da Força Aérea Helênica.

Reservas da Alemanha para a exportação de Eurofighters turcos

Si Londres e Madrid têm sido muito proactivas no apoio à venda de 40 Typhoon em Ancara, ignorando, de passagem, as múltiplas tensões orquestradas pela Turquia no Mediterrâneo Oriental nos últimos anos, especialmente contra Chipre e a Grécia, este não é, obviamente, o caso de Berlim.

Euro lutador typhoon linha de montagem
A linha de montagem do Eurofighter Typhoon na Grã-Bretanha terá de ser encerrado em 2028 por falta de novas encomendas

Na verdade, de acordo com o ministro da defesa turco, Yasar Güler, as negociações em torno deste programa seriam, hoje, bloqueadas pelas autoridades alemãs, como aconteceu há algumas semanas relativamente ao levantamento da opção relativa aos 48 Typhoon para a Força Aérea Saudita.


Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Exportações de armas | Alemanha | Alianças militares

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

REDES SOCIAIS

Últimos artigos