Estará uma armadilha fabricada de Tucídides em funcionamento no Médio Oriente contra os Estados Unidos?

Ao pressionar as forças americanas a responder no Médio Oriente, estará Teerão a participar numa armadilha de Tucídides fabricada com Moscovo, Pequim e talvez outros, para provocar a retirada americana e o colapso do bloco ocidental?

Desde o ataque do Hamas a Israel em 7 de Outubro, as forças iranianas, como o Corpo da Guarda Revolucionária, ou afiliadas ao poder iraniano, como os rebeldes Houthi no Iémen, realizaram vários ataques ou tentativas de ataques contra destacamentos americanos no Médio Oriente.

A partir de 17 de outubro, os 19 ataques registados contra as forças americanas deixaram cerca de vinte feridos, principalmente na sequência de concussões ligadas às ondas de choque da detonação de foguetes e mísseis.

A inevitável resposta americana contra as forças iranianas no Médio Oriente

Embora tenham, até agora, tentado seguir uma postura relativamente distante face à ofensiva israelita contra o Hamas, estes ataques acabaram por esgotar a paciência do Pentágono, tal como a do Presidente Biden.

Foi, de facto, sob as suas ordens que dois bombardeiros americanos atacaram, no dia 27 de Outubro, às 4 da manhã, dois sites usados ​​pelos guardas revolucionários na Síria, bem como seus grupos afiliados, e os destruiu.

USS Eisenhower
O porta-aviões nuclear USS Eisenhower e o seu grupo naval chegarão à costa de Israel dentro de alguns dias.

Esta resposta americana poderá marcar o início de um compromisso acrescido dos Estados Unidos na região, em particular contra o Irão, que continua a soprar quente e frio simultaneamente.

No entanto, é mais do que provável que este tenha sido o objectivo pretendido por Teerão, ao aumentar as provocações contra as bases americanas, de modo que o executivo americano não teve outra escolha senão retaliar.

Porque é que Teerão está a pressionar os Estados Unidos a envolverem-se militarmente no conflito?

Na verdade, as recentes reacções dos aliados tradicionais na região dos Estados Unidos, sejam as Monarquias do Golfo, o Egipto ou a Turquia, demonstram uma tensão mais do que palpável nas opiniões públicas, particularmente reactivas em relação às respostas israelitas a Gaza.

Contudo, se a selvageria do ataque do Hamas de 7 de Outubro tinha obviamente a intenção de provocar uma resposta exacerbada, portanto violenta, de Jerusalém contra Gaza, e talvez contra o Líbano, e assim provocar a conflagração da região, o desejo de envolver os Estados Unidos, por outro lado, parece responder a uma agenda completamente diferente.

Assim, o envolvimento das forças americanas neste conflito não beneficiaria certamente o próprio Hamas, nem beneficiaria a causa palestiniana. Pelo contrário, poderá levar a uma certa ruptura entre Washington e os seus aliados regionais, especialmente porque as relações com Riade, Abu Dhabi, Ancara e Cairo estão longe de ser calorosas.

IDF merkava gaza Alianças militares | Artigos mais lidos | Avião de combate
A selvageria demonstrada pelo Hamas durante o ataque de 7 de Outubro pretendia certamente provocar uma resposta forte das FDI contra Gaza.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Metadefense Logo 93x93 2 Alianças Militares | Artigos mais lidos | Avião de combate

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade,
a partir de 1,99 €.


Para mais

1 COMENTÁRIO

Os comentários estão fechados.

REDES SOCIAIS

Últimos artigos