O futuro padrão Rafale F5 pode evoluir para um Super Rafale ?

Alguns dias atrás, o primeiro Rafale ao padrão F4.1 foi entregue ao Centro de Perícia Aérea Militar, ou CEAM, na base aérea 118 de Mont-de-Marsan. Este novo padrão fornecerá a Rafale novas capacidades esperadas, como a mira do capacete, novos modos ar-ar e ar-solo de seu sistema de engajamento, fusão de dados expandida e um sistema de autoproteção SPECTRA totalmente modernizado.

Além disso, o dispositivo poderá implementar novas munições como o míssil ar-ar de curto e médio alcance MICA NG que promete ser o melhor em sua categoria como foi o MICA no início dos anos 2000; a nova bomba pesada de precisão e propulsão A2SM de 1000 kg capaz de eliminar os bunkers mais endurecidos, bem como o novo pod de designação Talios.

Todos os Rafale Os F3R atualmente em serviço nas forças aéreas e navais francesas, bem como aeronaves provavelmente exportadas, evoluirão em direção a este padrão nos próximos anos. Já os novos aparelhos que serão entregues a partir de 2025 serão do padrão F4.2, que oferece as mesmas funcionalidades, mas que prepara a chegada de uma grande evolução do Rafale por vir, o padrão F5.

Os padrões anteriores permitiram evoluir o primeiro F1 da Marinha Francesa limitado a missões ar-ar e o F2 da Força Aérea dedicado a missões ar-terra, para o padrão F3, depois F3R omnirole, depois para o F4.1 que permite Rafale aproximar-se da famosa 5ª geração graças às capacidades reforçadas de processamento de dados.

O desempenho esperado de Rafale F5

O padrão F5, e antes dele o F4.2 que o abriu, por outro lado representam uma grande evolução do dispositivo tanto no campo tecnológico quanto de capacidade, exigindo o Rafale evoluir fisicamente para acomodar novos sistemas e equipamentos. Primeira consequência, a Rafale anteriores à versão F4.2 não serão capazes de evoluir totalmente em direção a este padrão, e é provável que um duplo ramo de evolução emerja do padrão F4. Acima de tudo, o F5 terá capacidades que lhe permitirão aproximar-se não da 5ª geração de aeronaves de combate como o F-35 ou do Su-57, mas da 6ª geração do FCAS ou do NGAD.

Rafale F41 Mont de Marsan CEAM Aviação de caça | Análise de Defesa | Construção de aeronaves militares
O primeiro Rafale F4.1 chegou neste fim de semana ao CEAM em Mont-de-Marsan

Com efeito, o Rafale O F5 terá capacidades que rompem com os padrões anteriores, como a implementação de novo míssil nuclear hipersônico ASN4G que substituirá o ASMPA-Re, novos mísseis de cruzeiro e antinavio dos programas franco-britânicos FMAN e FMC bem como, muito provavelmente, uma nova munição anti-radar, devendo o F5 ser capaz de penetrar e evoluir sobre ambientes não permissivos fortemente defendidos pelos meios antiaéreos que existirão em 2035 e mais além.

Especialmente o Rafale F5 terá que implementar e controlar drones de combate, como o Remote Carrierr sendo desenvolvido no âmbito do programa FCAS, o que lhe permitirá alargar consideravelmente as suas capacidades de detecção e engajamento, sendo estes drones precisamente concebidos para transportar detectores (radar, sistemas electro-ópticos, sistemas de escuta electrónica, etc.) ou efectores (mísseis , bombas, interferência ou sistemas de guerra eletrônica, etc.).

É precisamente esta última capacidade que permitirá ao Rafale F5 afirma ser a 6ª geração de aeronaves de combate, ou pelo menos o mais próximo disso. Devido à imensa progressão tecnológica e de capacidade que caracteriza esta norma, o seu desenvolvimento será sem dúvida mais longo que os anteriores, uma vez que o dispositivo não entrará em serviço antes de 2035, e muito provavelmente o mais caro, ainda que parte dos desenvolvimentos seja partilhada com o programa FCAS.

Porém, o F5 não constituirá, a rigor, um aparelho novo, ainda que rompa com uma das características mais atrativas do Rafale tanto para os exércitos franceses como estrangeiros, nomeadamente a sua escalabilidade. Neste contexto, não seria apropriado desenvolver não uma nova norma, mas um verdadeiro novo dispositivo derivado de Rafale F4 como o Gripen E/F pode ter sido anteriormente em relação ao Gripen C/D, o F/A-18E Super Hornet em relação ao F/A-18C/D Hornet, ou mesmo o Super Standard vis-à-- em relação ao Padrão IV?

super hornet boeing 2 aviões de caça | Análise de Defesa | Construção de aeronaves militares
Embora assumindo as linhas do Hornet, o Super Hornet é uma nova aeronave, significativamente mais imponente e com capacidades significativamente aumentadas que lhe permitem substituir, além dos primeiros F-18, os bombardeiros táticos A-6 prowler e os de superioridade aérea. caças F-14 Tomcat.

Restam 75% deste artigo para ler. Inscreva-se para acessá-lo!

Os Assinaturas clássicas fornecer acesso a
artigos em sua versão completae sem publicidade.

Meta-Defesa comemora seu 5º aniversário!

LOGO meta defesa 114 aeronaves de combate | Análise de Defesa | Construção de aeronaves militares

- 20% na sua assinatura Classic ou Premium, com o código Metanniv24Até Somente 21 de maio !

Oferta válida de 10 a 21 de maio para a assinatura online de uma nova assinatura Classic ou Premium, anual ou semanal no site Meta-Defense.


Para mais

3 Comentários

  1. […] «Αυτό το νέο πρότυπο θα εξοπλίσει το Rafale με νέες αναμενόμενες δυνατότητες, όπως το στόχαστρο κράνους, νέες λειτο υργίες αέρος-αέρο ς και αέρα-εδάφους του συστήματος εμπλοκής του, εκτεταμέν η σύντηξη δεδομένων και ένα πλής ως εκσυγχρονισμένο σύστημα alpha ς SPECTRA”, publicado em meta-defence.fr. […]

REDES SOCIAIS

Últimos artigos