O sistema antiaéreo a laser Iron Beam de Israel pode entrar em serviço em menos de 3 anos

Em abril passado, equipes do industrial Rafael e do exército israelense realizaram um primeiro teste "em tamanho real" do sistema antiaéreo Iron Beam, um dispositivo de defesa baseado em um laser de alta energia com potência superior a 100 Kw. Durante esses testes, o Iron Beam demonstrou sua capacidade de interceptar e destruir não apenas drones leves, mas também foguetes de artilharia e morteiros com precisão, eficiência e velocidade. Esses sucessos aparentemente acabaram convencendo as forças armadas israelenses, que agora planejam se equipar com este sistema em um futuro surpreendentemente próximo, entre dois e três anos, para complementar as capacidades do Iron Dome de alto desempenho, mas também muito caro. sistema que protege as cidades e instalações estratégicas do país contra potenciais ataques maciços de saturação realizados pelo Hezbollah palestino e seus apoiadores iranianos.

Segundo Rafael, todas as questões tecnológicas já foram respondidas, e agora apenas questões puramente industriais e, portanto, orçamentárias, surgem para dotar a defesa israelense desse sistema. Deve-se dizer que para Jerusalém, as apostas são altas. De fato, embora o Iron Dome tenha demonstrado sua eficácia sem sombra de dúvida durante os ataques realizados pelo Hezbollah em 2021, ao conter a ameaça contra picos em mais de 2500 ataques de foguetes por dia em outubro, o sistema antiaéreo e antimíssil israelense também mostrou suas maiores fraquezas neste tipo de engajamento, a saber, os custos associados a cada interceptação com um míssil cujo preço excede $ 50.000, e os atrasos de reabastecimento desses mísseis para lidar com ataques massivos espalhados ao longo do tempo. É precisamente nestas duas áreas que o Iron Beam pretende dar uma resposta crítica à defesa israelense.

Apesar de sua eficácia inegável, o sistema Iron Dom mostrou em 2021 que tinha os defeitos de suas qualidades, com um preço de interceptação muito superior ao preço dos alvos destruídos, e dificuldades significativas no reabastecimento dos sistemas após um uso intenso.

De fato, o custo do uso do Iron Beam é muito menor do que o dos mísseis Iron Dome. Segundo Rafael, uma tomada de seu novo sistema custaria US$ 3,5, que é o preço da energia necessária para o sistema produzir o laser de alta energia. Tal custo de uso e propriedade obviamente deve ser tomado com muita cautela, pois transmitido pelo próprio fabricante, em critérios que só ele conhece. Assim, não se sabe quais são os níveis de manutenção necessários para manter o sistema funcionando, ou simplesmente qual é a taxa de desgaste do equipamento ao longo do tempo em que será utilizado. Embora esses custos para um sistema baseado em mísseis como o Iron Dome sejam baseados principalmente no preço da própria munição com posse relativamente reduzida e restrições de uso proporcionalmente enquanto os mísseis estiverem disponíveis, não há garantia de que um sistema de laser de alta energia também pode ser modelado em tal modelo, muito pelo contrário.


O restante deste artigo é apenas para assinantes

Os artigos de acesso completo estão disponíveis no “ Itens gratuitos“. Os assinantes têm acesso aos artigos completos de Análises, OSINT e Síntese. Artigos em Arquivos (com mais de 2 anos) são reservados para assinantes Premium.

A partir de 6,50€ por mês – Sem compromisso de tempo.


Artigos Relacionados

Meta-Defesa

GRÁTIS
VISTA