Entre mísseis e munições errantes, o israelense Rafael apresenta seu novo Spike NLOS com alcance de 50 km


AVISOS: Aniversário da Meta-Defesa

  • Até a meia-noite de segunda-feira 13 de junho, aproveite um desconto de 15% nas assinaturas Classic e Student (anual) com o código B57LMAcV.
  • Assinantes premium/profissionais, agora você pode publicar 2 comunicados de imprensa/anúncios/ofertas de trabalho no Meta-Defense a cada mês gratuitamente. Mais detalhes na sua página Minha Conta

Ao final da Guerra Fria, o mercado ocidental de mísseis antitanque estava nas mãos dos Estados Unidos com o TOW da Hughes Aircraft e a chegada do míssil Hellfire de Lokheed-Martin, e da Europa com o HOT e o próprio infantaria de MILÃO eficaz desenvolvida pela Euromissiles. Mas com o fim da ameaça soviética, americanos e europeus reduziram significativamente seus investimentos nessa área, abrindo caminho para o surgimento de outros players no planeta. E nesta área, o israelense Rafael inquestionavelmente alcançou a maior participação de mercado com sua gama de mísseis antitanque SPIKE. Surgido no início da década de 80 de forma confidencial para atender às necessidades dos exércitos israelenses, o SPIKE era inicialmente um míssil de 4ª geração equipado com um buscador infravermelho como o Javelin americano e, portanto, capaz de direcionar autonomamente uma vez lançado em direção ao seu alvo, ao contrário de o MILAN, TOW ou HOT que ainda tinha que ser guiado por um operador.

Hoje, a família de mísseis SPIKE, que inclui mais de uma dúzia de variantes, conquistou a maior parte dos exércitos ocidentais e é exportada para mais de trinta forças armadas em todo o mundo, incluindo mais de vinte pertencentes à OTAN, em particular graças à criação da joint venture EuroSpike entre Rafael e os alemães Diehl Defense e Rheinmetall Defense Electronic, cada um com 40% das ações do grupo. Essa escolha de Berlim em favor da cooperação com Israel foi para o desgosto da França e da MBDA, que continuaram a promover o MILÃO e o HOT em versões evoluídas, mas ancoradas em uma geração anterior. A ruptura é agora tão grande nesta área entre Paris e Berlim que, como parte do programa Tiger III, no qual a Alemanha ainda não havia confirmado sua participação, Berlim anunciou em 2019 que queria equipar seus próprios Tigers com mísseis Spike. e não o novo míssil MHT recentemente designado Akéron do MBDA europeu. É verdade que tecnologicamente falando, tudo se opõe a esses dois mísseis, o Spike NLOS (No Line of Sight) e seu buscador infravermelho podendo atingir alvos a 50 km, onde o MHT, guiado através de uma fibra óptica para manter o conceito de homem no loop, tem apenas um alcance de 8 km.

O Spike equipa muitos exércitos europeus, particularmente no leste e norte da Europa.

O restante deste artigo é apenas para assinantes

Os artigos de acesso completo estão disponíveis no “ Itens gratuitos“. Os assinantes têm acesso aos artigos completos de Análises, OSINT e Síntese. Artigos em Arquivos (com mais de 2 anos) são reservados para assinantes Premium.

A partir de 6,50€ por mês – Sem compromisso de tempo.


Artigos Relacionados

Meta-Defesa

GRÁTIS
VISTA