Os Estados Unidos anunciam o fim dos testes de seus sistemas antissatélites

Em 15 de novembro de 2021, a Rússia destruiu o satélite Kosmos-1408 usando um míssil antissatélite, fazendo com que quase 1500 pedaços de detritos fossem lançados em uma órbita movimentada, inclusive pela Estação Espacial Internacional. Desde a década de 60, nada menos que uma dezena de testes bem-sucedidos foram realizados pelos Estados Unidos, União Soviética/Rússia, China e Índia neste campo, criando mais de 6500 pedaços de detritos espaciais, dos quais 4500 ainda estão em órbita, ameaçando constelações de satélites civis e militares. Para Kamala Harris, a vice-presidente americana, agora era preciso acabar com essa escalada, inclusive, algo raro para os Estados Unidos, dando o exemplo. Então, esta manhã, a Casa Branca anunciou o fim de todos os testes de sistemas anti-satélite nos Estados Unidos, portanto falando, enquanto as tensões com a Rússia e a China estão no seu ponto mais alto, e que o Pentágono estava envolvido no desenvolvimento de tal arma, cuja demonstração estava prevista para breve.

O último teste americano ocorreu em 21 de fevereiro de 2008, quando um míssil antibalístico SM3 modificado lançado do cruzador AEGIS USS Lake Erie destruiu um satélite espião americano defeituoso 245 km acima do Pacífico. Anteriormente, um F-15 equipado com um míssil ASAT ASM-135 destruiu o satélite P13-1985 Solwin em 78 de setembro de 1, durante um único teste desta arma. A China, por sua vez, demonstrou suas capacidades ASAT pela primeira vez em 11 de janeiro de 2007, quando um míssil SC-19 destruiu o satélite de observação meteorológica FY-1C a uma altitude de 865 km. Desde então, o país desenvolveu outros sistemas, incluindo o míssil Dong Neng-3 especialmente projetado. A Índia também procedeu em 2019 a a destruição de um satélite movendo-se a uma altitude de 300 km durante a Operação Shakti, criando 270 pedaços de detritos em órbita baixa. O sistema antibalístico israelense Arrow 3 também é potencialmente capaz de interceptar e destruir satélites que se movem em órbita baixa.

O temor do governo americano é que, sob o pretexto de testes, a destruição de satélites desencadeie a síndrome de Kessler, batizada em homenagem a um consultor da NASA, Donald Kessler, que estudou os efeitos de uma reação em cadeia ligada à destruição de satélites levando a a multiplicação de detritos espaciais, eles próprios danificando e destruindo outros satélites, a ponto de não mais poder manter um satélite operacional nas altitudes em questão, e potencialmente impossibilitando a exploração espacial. Além disso, quanto maior a altitude dos satélites destruídos, mais tempo os detritos permanecerão em órbita antes de serem agarrados pela gravidade da Terra, passando de alguns anos para um satélite movendo-se a 300 km a várias décadas, ou mesmo vários séculos a 800 km de altitude. Além disso, a destruição de um satélite por uma arma ASAT projeta detritos não apenas na altitude em que o satélite estava voando, mas em uma ampla faixa de altitude, tornando muito difícil prever as trajetórias de detritos durante uma destruição.


O restante deste artigo é apenas para assinantes

Os artigos de acesso completo estão disponíveis no “ Itens gratuitos“. Os assinantes têm acesso aos artigos completos de Análises, OSINT e Síntese. Artigos em Arquivos (com mais de 2 anos) são reservados para assinantes Premium.

A partir de 6,50€ por mês – Sem compromisso de tempo.


Artigos Relacionados

Meta-Defesa

GRÁTIS
VISTA